Sábado, 8 de Setembro de 2012

Prendia-o o mar, era o mar que o prendia. Prendia-o àquela aldeia tão insignificante, tão pequena. “Se não fosse o mar…”

Talvez tivesse emigrado, procurado outra vida. Mas amava o mar…

- Nos outros países também há mar – diziam-lhe.

Sim, havia mar, António sabia que havia mais mar, não era só este. Até tinha aprendido na escola que havia no mundo mais mar do que terra. E tinha aprendido os nomes dos cinco Oceanos: Atlântico, Indico, Pacífico, Árctico e Antárctico. Isso ele sabia.

Mas o mar não é igual em todo o lado, isso ainda sabia melhor. Um dia visitara a cidade de Corunha, em Espanha. E viu o mar de lá, e agradou-lhe.

Era um mar diferente. Pareceu-lhe mais verde do que azul, e a espuma das ondas era branca como o leite. Agradou-lhe aquele espectáculo de verde e branco. Ficou meia hora a olhar o mar, e só não ficou mais tempo porque o autocarro da excursão não esperava mais. Entrou para o autocarro com os olhos cheios de mar. Ele amava o mar.

Punha-se muitas vezes na varanda de sua casa a olhar o mar. Outras vezes ia vê-lo mais de perto, na praia. António era pescador e apaixonado pelo mar. António via o mar, ouvia o mar, cheirava o mar… António gostava do cheiro do mar; cheiro a sal, a maresia…

E então António lembrou-se de uma coisa, uma coisa muito importante: o mar da Corunha não tinha o mesmo cheiro. Não, não tinha o mesmo cheiro. Assim como não tinha a mesma cor, também não tinha o mesmo cheiro… O mar não era igual em todo o lado.

Por isso, António não saiu da sua terra, não emigrou como os irmãos.

Os irmãos de António moram há anos no Canadá. E vivem bem, têm coisas que ele nunca viu, a não ser nas revistas que folheia no quiosque se a dona estiver distraída, pois quem mexer é obrigado a comprar. Mas se António comprar a revista, não pode comprar o jornal; e ele prefere comprar o jornal, sempre tem coisas mais sérias.

As fotos das revistas atraem-no, mostram coisas que só assim pode ver. Mostram coisas que ele gostava de ter, que gostava de oferecer aos filhos… mas o mar, o seu mar, tem andado zangado; o peixe é sempre pouco.

E depois, o comer é certo, o vestir é certo… as contas têm de se pagar. E António sempre pagou as suas contas, toda a gente sabe que ele é um homem sério. Pobre, sim, mas sério, honesto.

Há  dias António recebeu uma carta do irmão mais velho, o primeiro a emigrar para o Canadá (depois foram os outros dois, chamados por ele).

Agora Joaquim escrevia-lhe: que fosse para o Canadá, que lá se vivia bem. E depois, estariam os irmãos perto uns dos outros, os filhos cresceriam juntos e amigos; afinal, eram primos e nem se conheciam. Aliás, nem os tios os conheciam.

Mas António amava o mar…

Conversou com a mulher, conversou muito com a mulher. E a mulher já se via longe da enxada, da sardinha, do tanque de lavar roupa (lá há  máquinas para tudo…). Via-se com um vestido igual ao de uma das cunhadas, na fotografia que mandaram no Natal… A mulher de António sonhava, sonhava…

Conversaram, conversaram muito. E António decidiu-se, iriam para o Canadá. Pela mulher, pelos filhos, iria para o Canadá. A mulher merecia que ele lhe desse uma vida melhor. A sua mulher merecia uma vida melhor. Os seus filhos também. Os seus queridos filhos.

Pela mulher, pelos filhos, António deixaria o mar. Dali a duas semanas estariam no Canadá. Iria rever os irmãos, conhecer os sobrinhos (nem sabia ao certo quantos eram). “Daqui a duas semanas estamos no Canadá,”  pensava. E o mar?

António não pensava no mar. Se pensasse, não teria coragem para partir.

Venderam a casa. Iriam para o Canadá, viver uma vida melhor. A mulher merecia, os filhos mereciam… Nessa noite, quando saiu para a pesca, António levava a certeza do Canadá. Só mais uns dias de mar, e depois o Canadá. Pela mulher, pelos filhos, para lhes dar uma vida melhor…

Pela manhã o barco de António não apareceu na praia. António não apareceu na praia. E houve gritos, muitos gritos. Gritou a mulher, gritaram os filhos; todas as mulheres da praia gritaram, toda a gente chorou.

Os rudes homens do mar também choraram, mesmo sabendo que era o destino. O destino de António e talvez o deles próprios. Nesse dia houve muito choro na praia.

Dias depois deram à costa algumas tábuas do barco, do barco de António. E houve mais gritos, houve mais choro; desta vez, um choro mais resignado. Mas os gritos da mulher e dos filhos de António eram iguais aos do primeiro dia: fortes, desesperados…

Vieram os irmãos, do Canadá, para o funeral, mas o corpo de António não aparecia. O corpo de António não apareceu, ficou no fundo do mar.

Os irmãos tinham de partir, regressar ao trabalho. O patrão dera-lhes licença de poucos dias, tinham de voltar.

Joaquim falou com a cunhada. Que fosse para o Canadá, os filhos teriam uma vida melhor, ela teria uma vida melhor; que António ficaria contente. Conversaram muito.

E a mulher de António foi para o Canadá. Ela e os filhos, com a ajuda dos cunhados. Arranjaram-lhe casa, trabalho, os filhos na escola…

A mulher de António foi para o Canadá, os filhos de António foram para o Canadá; têm uma vida melhor. Era o desejo de António.

Mas António não deixou o mar. Porque o mar, ciumento, não o deixou partir.

António não deixou o mar. O mar não deixou o António.

 

Felipa Monteverde



publicado por Felipa Monteverde às 00:10 | link do post | comentar | favorito

mais sobre mim
links
Janeiro 2016
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30

31


posts recentes

Novo jardim

A moeda "falsa"

A crise dos outros

Manhã de sol

Paixão

No jornal

O homem

Um amigo

Sono

"Amigo é..."

arquivos

Janeiro 2016

Outubro 2015

Janeiro 2014

Novembro 2013

Setembro 2013

Abril 2013

Março 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

blogs SAPO
subscrever feeds