Segunda-feira, 17 de Setembro de 2012

Não quero pensar na crise.

Não quero pensar em falta de emprego,

de poder de compra, de oportunidades para os jovens.

Não quero pensar em nada disto.

 

Greves? Não, obrigada.

Nem na troika quero pensar.

 

Quero ser como a avestruz

enterrar a cabeça na areia até que a crise passe.

O futuro depois se verá

quando chegar a altura resolverei e decidirei o que fazer.

 

Para já, quero dormir

quando tudo tiver passado acordem-me.

 

Mas não me chamem cobarde. 

Cobardes são os que fogem e eu nunca fugi.

Não fugi à falta de trabalho nem ao trabalho difícil

não fugi a estragar a pele das mãos

a ganhar tantas rugas que transporto

a perder a vivacidade na pele do rosto.

 

Não fugi.

Enfrentei o que tinha de vir e veio.

Suportei a miséria, o desdém

os olhares de piedade e de troça

com que me olhavam por ser pobre e ter "muitos" filhos.

 

"Isso agora já não se usa" diziam...

 

Suportei o que tinha de vir e veio.

Mas assim como veio se foi, e fiquei livre.

Livre para viver sem me preocupar 

com a crise ou com a troika 

pois quem nunca teve as riquezas que alguns têm 

não tem medo de ser pobre, que é o que sempre fui.

 

Por isso, não quero ouvir falar em desgraças

que desgraçada fui a vida toda...

 

Felipa Monteverde



publicado por Felipa Monteverde às 23:42 | link do post | comentar | favorito

mais sobre mim
links
Janeiro 2016
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30

31


posts recentes

Novo jardim

A moeda "falsa"

A crise dos outros

Manhã de sol

Paixão

No jornal

O homem

Um amigo

Sono

"Amigo é..."

arquivos

Janeiro 2016

Outubro 2015

Janeiro 2014

Novembro 2013

Setembro 2013

Abril 2013

Março 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

blogs SAPO
subscrever feeds