Quinta-feira, 27 de Setembro de 2012

Ninguém a preparou para o que a esperava, tantos anos de solidão e uma vida em permanente espera por algo que jamais chegaria. Tantos anos agora passados, ela nem sabe para quê ou quem viveu essa vida angustiosa e estafante que foi a sua.
Diziam que ele chegaria, que a amava, que a queria e em breve a faria sua. Era mentira. Ele, lá longe, a mulher e os filhos, o lar que fundou. Ela, a eterna namorada, neste país triste em que cantar é uma afronta, permanece virgem e intocável à sua espera.

Mas ele jamais virá. E se vier, ela saberá que será por pouco tempo, apenas o necessário para lhe dizer que não devia ter esperado por ele quando ele emigrou, que devia ter ido com ele quando ele lhe pediu, contrariando a vontade dos pais em deixá-la partir.
Não os contrariou, não partiu com ele, morreu por esses dias, quando o avião que o levava para longe dela levantou voo, o aeroporto que ela nunca viu cheio de amigos que se despediam. Ele partiu, esqueceu-a, arranjou novo amor. Ela sabe, alguém lhe contou, que não havia passado um ano e ele já estava casado. Esqueceu-a assim depressa, tanto amor que lhe jurava.
Os pais não a deixaram sair, arranjar namorado. Ele vai chegar, diziam, és a namorada e tens de o respeitar, não pode haver vergonhas na família. Que vergonhas? A vergonha de ser passiva em relação aos pais, essa obediência que a oprimiu toda a vida, a falta de carácter que sempre achou que tinha. Perdeu tudo por obediência, agora estava só, sem marido, filhos, amigas, sem os pais.
Foi triste a vida toda. Quando ria era de dor, quando sorria era para disfarçar a tristeza que lhe preenchia o coração. Felicidade, o que era isso? As moças da sua idade foram casando, criando filhos, e ela sem ninguém, os pais não permitiam confianças com os moços que lhe sorriam ao sair da igreja, aos domingos.

Até mesmo quando o senhor Serafim, ao ficar viúvo e com cinco filhos para acabar de criar, a pediu em casamento, já ela estava bem passada dos trintas, os pais não permitiram e nem deixaram mais que ela fosse à sua mercearia.
Estragaram-lhe a vida, com a desculpa de não quererem vergonhas na família. Vergonhas que ela não se importava de ter cometido, fossem quais fossem, só para ter agora algumas recordações a que se agarrar nas noites solitárias de inverno.

Vive só, a idade não perdoa e todos já partiram. Só ele ainda não regressou. Naquela casa triste, onde toda a gente que lá viveu já há muito morreu, ela aquece uma malguinha de sopa antes de ir dormir, para aconchegar o estômago. O corpo deita-se entre os lençóis frios, não há um abraço que a conforte do frio da madrugada.

Mas ele vai chegar, garantiram-lhe os pais. Finge acreditar e adormece.

 

Felipa Monteverde



publicado por Felipa Monteverde às 10:10 | link do post | comentar | favorito

mais sobre mim
links
Janeiro 2016
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30

31


posts recentes

Novo jardim

A moeda "falsa"

A crise dos outros

Manhã de sol

Paixão

No jornal

O homem

Um amigo

Sono

"Amigo é..."

arquivos

Janeiro 2016

Outubro 2015

Janeiro 2014

Novembro 2013

Setembro 2013

Abril 2013

Março 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

blogs SAPO
subscrever feeds