Sexta-feira, 21 de Dezembro de 2012

De vez em quando dá-lhe para a nostalgia, recorda coisas que se passaram há tanto tempo que parece ter sido antes de o mundo nascer.

Hoje lembrou-se da Maria B., antiga colega de escola. Era uma menina filha de gente com posses, via-se nitidamente que não passava fome. Mas ela passava, muita. E de vez em quando perguntava à Maria se lá em casa se cozia a fornada. E se lhe poderia levar nesse dia para a escola um bocadinho de broa ainda quente, para ela comer... e a outra calava-se.

Lembra-se de lhe perguntar também se tinham árvores de fruto no quintal, e de a outra responder que sim, que tinha fruta variada sempre lá em casa. E ela pedia-lhe que lhe levasse uma pecinha de fruta: uma ameixa, uma laranja, qualquer fruta... e a outra calava-se. E nunca lhe levou nem pão nem fruta para a escola.

Eram colegas de carteira. Ela era das mais inteligentes da classe, a Maria B. era uma burra, não sabia nada.

Um dia estavam a fazer uma redação (anos mais tarde mudaram-lhe o nome para composição) sobre D. Afonso Henriques. E a Maria perguntou-lhe que título tivera o rei. E ela (tem remorsos, mas não muitos) respondeu: Vaca taurina. E foi o que a outra escreveu, burra que era...

Maria B. foi chamada è secretária pela professora e apanhou. E ela (com remorsos, mas não muitos) ficou contente, pois dessa maneira foi a outra castigada por nunca lhe ter matado a fome (e coziam a fornada... e tinham fruta... e ela sempre com o estômago colado às costas, esfomeada que andava...).

 

Felipa Monteverde



publicado por Felipa Monteverde às 23:25 | link do post | comentar | favorito

Terça-feira, 18 de Dezembro de 2012

A beleza das cores de outono passava-lhe despercebida, não tinha olhos para ver. Olhava e parecia cega, nada via. 

Nada do que esperava encontrar por ali estava onde deveria estar, e ela nada via para além do que desejava ver. O desejo não conseguia transformar a ausência em presença, em proximidade e calor.

Por isso andava só. Ia sempre sozinha onde quer que fosse.

Ninguém para lhe fazer companhia. Só o silêncio e a solidão.

Longe estava quem um dia a fez sonhar.

Longe também os sonhos, amarelecidos na gaveta das lembranças.

Nada do que fizesse lhe restituiria aquilo que mais desejava: o regresso ao passado.

O regresso a uma tarde de verão, em que as gaivotas e a areia se tornaram a única lembrança que guardava do adeus.

Adeus ao amor. Ao amor que sentira e guardara para sempre no coração. 

Nessa tarde, a que desejava regressar, morreu o amor, morto por uma palavra que não tinha o direito de ter sido proferida.

Mas foi-o. E matou, qual espada arremessada ao peito amado, o amor que lá havia.

Mil vezes se arrependeu de a ter dito. Mil vezes recordou essa tarde, mil lágrimas chorou, mas arrependimento não mata e ela não morreu. A vida que a sustenta é aparente, na sepultura que aguarda o seu corpo já repousa a sua alma.

Tem apenas a guiá-la o desejo de regressar a esse dia, aos momentos antes de tudo acontecer. E matar a palavra que a assassinou.

 

Felipa Monteverde



publicado por Felipa Monteverde às 23:18 | link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito

mais sobre mim
links
Janeiro 2016
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30

31


posts recentes

Novo jardim

A moeda "falsa"

A crise dos outros

Manhã de sol

Paixão

No jornal

O homem

Um amigo

Sono

"Amigo é..."

arquivos

Janeiro 2016

Outubro 2015

Janeiro 2014

Novembro 2013

Setembro 2013

Abril 2013

Março 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

blogs SAPO
subscrever feeds